Razão de ser...

Razão de ser
Nesta cidade, cujo patrono é o ilustre poeta Bocage,
onde sempre existiu forte tradição poética,
com movimentos formais e informais de poetas e escritores,
faz todo o sentido a existência de uma Associação Cultural
que reúna os poetas numa "Casa da Poesia"
_________________________________
Objetivos da Casa (Consultar em rodapé)

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Poema do tema mensal

Às vezes, não sei se sinto
Ou se é apenas o querer sentir
Que me traz o Natal
Em forma de luz profunda
Ou de abraço apertado
Dos que desejamos perto de nós

Às vezes, é tanta a dor da ausência
Que nos transmuda em nós pontiagudos
E nos deixa prostrados de medo
Do que não logramos compreender

Às vezes, eu queria ser uma grinalda colorida
Uma Árvore de Natal construída passo a passo
Na lentidão com que o amor acontece

Às vezes, só consigo ser a cadeira vazia à mesa
Da consoada
O eco dos que já não se vêem junto a nós
E estão ali eternamente presos nos risos e nas palavras
Que partilhamos
Nas vozes de todos os Natais que vivemos

Às vezes, eu fico trémula como uma lâmpada com defeito
Numa cadeia de luzes em redor de um presépio perfeito
E só assumo a minha realidade
Como um personagem vagamente concebido
Para ser gente num conto alusivo à Quadra Natalícia

Ana Wiesenberger


Sem comentários:

Enviar um comentário